Os caminhos da capoeira

A capoeira tem viajado pelo mundo todo e aterriza por mares dantes nunca navegados!

Até no país do Taekwondo a capoeira vem ganhando muitos praticantes. A sul-coreana, com o nome de guerra Dançarina, viajou até Hamamatsu (Shizuoka) no final de 2018 para participar do evento da entrega de cordas e batizado da Associação Nagoas Capoeira. Dançarina é instrutora da Capoeira Zoador Korea, na capital Seul e recentemente participou de um programa de tevê na Coreia do Sul, com o grupo de Taekwondo K-Tigers e ensinou o gingado.

Mestre Bael é brasileiro mas vive na Colômbia há 13 anos, país onde a capoeira é muito bem recebida, com muitos praticantes. Bael também viajou a Hamamatsu, para participar como convidado especial do mesmo evento da Nagoas.

Bael reforça que “a capoeira hoje em dia não é do Brasil é do mundo”.

Para divulgar ainda mais esta arte marcial nascida nas senzalas do Brasil Colonial, no verão, o instrutor Esquilão organiza uma demonstração de capoeira no calçadão no centro de Hamamatsu. Os transeuntes observam com muita curiosidade enquanto caminham, outros param e solicitam folhetos para uma futura matrícula na academia de capoeira.

No final do ano, a Nagoas realiza a troca de cordas e batizado entre os seus praticantes. Cerca de 30 academias de várias partes do Japão, estiveram presentes nesse evento realizado no dia 2 de dezembro de 2018, nas dependências da HICE – Fundação Internacional de Hamamatsu. Foram 14 batizados e 16 trocas de corda.

A reportagem sobre os Caminhos da Capoeira também visitou o Museu dos Instrumentos Musicais de Hamamatsu. Mas o que tem a ver capoeira com museu?

Só visitando o museu para saber que, o único instrumento do Brasil lá representado é o berimbau! Isso mesmo! Berimbau!!

Com um acervo de mais de 1.300 instrumentos musicais do mundo todo, quanta honra dividir o mesmo espaço no museu junto com Beethoven!

Não adianta procurar no museu, não há nenhum exemplar de cavaquinho muito menos o auxílio luxuoso de um pandeiro brasileiro. O instrumento da hora é mesmo o berimbau.

Assim como o samba já não é exclusividade do Brasil, chegou a vez do mundo entrar no ritmo do berimbau!